top of page

PUBLICAÇÕES

Buscar

Branquitude e trabalho escravo na Serra Gaúcha

Camila Penna e Ana Lopes


O caso de trabalho escravo nas vinícolas gaúchas não pode ser compreendido apenas como um resultado da precarização do trabalho e da flexibilização da legislação trabalhista nos últimos anos. É necessário incorporar a dimensão da branquitude e do racismo por denegação para explicar a persistência da escravidão atual.


A branquitude, como posição de poder e de privilégio das pessoas brancas, é um aspecto central na estratificação da sociedade brasileira e explica algumas reações que negam ou que minimizam a dimensão racial da escravização dos trabalhadores nas vinícolas gaúchas.


A concentração fundiária está diretamente relacionada à persistência do trabalho escravo. A seletividade racial do Estado na política fundiária ajuda a compreender porque nunca se cumpriu o dispositivo que está previsto em Constituição: a expropriação da propriedade na qual é identificada a existência de trabalho escravo.


O racismo permeia e forma o sistema agroalimentar brasileiro, desde a produção rural até o consumo.


Acesse aqui o texto completo.



Branquitude e trabalho escravo na serra gaúcha
.pdf
Download PDF • 4.05MB


286 visualizações0 comentário

Commentaires


bottom of page